Bruges, Bélgica

Bruges, no norte da Bélgica, é uma relíquia medieval.



Boat tour nos canais da cidade

Em 2000, Bruges foi declarada pela UNESCO Patrimônio da Humanidade.



O simpático Restaurante De Torre

A cidade é cercada de canais.

Os cisnes compõem a paisagem de Bruges.

Os barcos também passam por debaixo dessas pontes. Pertinho dos cisnes.




O barco passando ao lado do jardim habitado por lindos cisnes.



São estes simpáticos aqui...



Que pena não ter podido fazer o passeio de barco.



De novo o Restaurante De Torre, em um outro ângulo.



O guia do boat tour aponta as belezas da cidade, como as construções antigas.




Você esbarra em um "cantinho" mais acolhedor do que o outro.





Este parque é um convite para um descanso.

Em frente às estátuas de Jan Breydel e Pieter de Coninck, na Grote Markt.



As vielas de Bruges te convidam para uma caminhada.



E os canais te convidam para um cruise.





Pela foto, entende por que Bruges é considerada a "Veneza do Norte"?


Também é conhecida como a "Cidade das Bonecas".

Charretes na Grote Markt, outra opção de passeio.




Grote Markt é o coração de Bruges.


Belfort Tower, construída em 1248. Mercado convertido em palácio.


A Grote Markt tem edifícios medievais em seus quatro lados.

Em frente à Provinciaal Hof.


video


Bruges, ou Brugge, é uma daquelas cidadezinhas inesquecíveis. Ela é romântica, acolhedora, sedutora, de uma beleza ímpar. Claro que é indispensável ter Bruxelas no pacote de viagem à Bélgica, mas se Bruges estiver incluída, a surpresa de quem abre esse presente é maior ainda. Pelo menos um dia deve ser reservado a Bruges, já que a cidade é bem pequena, de fato. Mas, passar só um pouco mais de duas horas por este lugar é um pecado que eu cometi que é quase imperdoável. O que atenua esse ato foi o compromisso que me aguardava e que, apesar de ser contrário à minha vontade, precisava ser cumprido: excursão. Não sou contra excursões, é claro que têm seus prós e contras, sei que o guia tem um tempo certo para deixar seus passageiros com tempo livre em cada cidade, mas programar tão pouco tempo numa cidade tão linda quanto Bruges, só porque é pequena, é quase como cometer um sacrilégio. O lugar é digno de admiração não somente pelos seus encantadores canais, lagos e jardins como também por suas características medievais que os séculos não conseguiram apagar. As casas na praça principal da cidade e as que margeiam os canais guardam as impressões de um tempo tão longínquo que você não tem condições de lembrar, mas tem como imaginar, e esse é um dos poderes mágicos de Bruges.

De qual forma você gostaria de conhecer Bruges: a pé, de charrete ou de barco? Esteja certo de que qualquer uma das opções será muito bem escolhida, mas, de preferência, escolha as três. Ou pode pensar até em uma quarta opção: de bicicleta. Se você não tiver muito tempo, como eu, prefira o passeio a pé para entrar nas lojinhas e comprar algumas lembranças, andar pelas ruelas, descansar no parque florido, conhecer a Grote Markt (ou Grote Market Square) e, é claro, apreciar os canais enquanto caminha. Mas, se tiver um pouco mais de tempo, não deixe de conhecer os canais da cidade em um barco turístico acompanhado de um guia (prepare-se para a fila de espera em alta temporada). Deve ser uma delícia passar por debaixo de suas pontes, ao lado de cisnes (o cisne é um dos símbolos de Bruges) e de casas medievais que ficam espelhadas nas águas dos lagos. Por não ter feito esse passeio pela falta de tempo, me senti como se estivesse em Veneza e não tivesse andado de gôndola. Aliás, Bruges é conhecida como a “Veneza do Norte” por causa de seus canais e também como a “Cidade das Bonecas” por conta de sua formosura. No final desta página, toque o pequeno vídeo que mostra um momento de um passeio de barco que estava cheio de turistas e diga se tenho ou não razão de ter ficado tão frustrada por não ter sido uma daquelas pessoas a acenar para uma máquina fotográfica.

Minha chegada a Bruges foi precedida de uma longa viagem: juntos na excursão da Europamundo, deixamos Londres bem cedinho e fomos de ônibus até Dover (ainda Inglaterra), onde pegamos o ferryboat para chegarmos a Calais, na França. E da França seguimos para Bruges, a relíquia medieval ao norte da Bélgica. E, depois, acredite, ainda fomos para Volendam, na Holanda, pernoitar lá. Ou seja, em um único dia, estivemos em 4 países: Inglaterra, França, Bélgica e Holanda. (Nosso ônibus seguiu no ferryboat também. O ônibus, aliás, vários deles, assim como carros e caminhões, ficam estacionados na embarcação enquanto você se distrai fazendo um lanche ou almoçando, ou apreciando o Canal da Mancha na varanda, por exemplo. O ferryboat é bem grande, confortável e conta com um ótimo restaurante, cafés, banheiros, ou seja, tem tudo para sua comodidade. Tiramos algumas fotos do interior do ferryboat e da nossa travessia, às quais você tem acesso em nosso fotopages, em <http://reginamendes.fotopages.com/?entry=1743288>.) Bem, deixando o roteiro do dia de lado e de volta à estrela da vez: Bruges. Chegando à cidadezinha, a primeira providência que eu e meu marido tomamos foi almoçar o mais rápido possível para que sobrasse o máximo de tempo para conhecermos o mínimo da cidade. Assim, fomos almoçar em um fast food que já estava lotado. Lembre-se de que em alta temporada acontecem essas coisas. Há muitos restaurantes a escolher na Grote Markt, mas se o seu tempo também for curto, nem tente parar para sentar e esperar seu prato ficar pronto. Mas, se tiver tempo, achei muito charmoso o restaurante à beira de um canal com o qual me deparei. Chama-se De Torre. Dando um rolé pelas ruas, você facilmente o identificará. As pessoas são servidas em mesas na calçada, num clima bem descontraído com ar de elegância (a quarta e décima primeira fotos contadas de cima para baixo). Achei o site desse restaurante: http://www.de-torre.com/Welkom.html

Mas matamos a fome no fast food mesmo e, depois, fomos para o usual ponto de partida para explorar a cidade: a Grote Markt, a mais famosa praça da cidade que ostenta construções medievais muito bem conservadas em seus quatro lados. Admire o estilo dos prédios, as estátuas de Jan Breydel e Pieter de Coninck, as charmosas charretes com turistas extasiados (acho que nem preciso dizer que andar de charrete em Bruges era um de meus planos frustrados) e, principalmente, o lindo prédio Provinciaal Hof (ou Provincial Court).

Deixando a Grote Markt, fomos percorrer a pé, e sem guia, as ruas estreitas de Bruges, descobrindo os cantos e encantos desse lugar, deixando-nos surpreender pelo acaso que se tornava cada vez mais previsível: a certeza da admiração. Terminada nossa caminhada, nos dirigimos ao local combinado com a guia da excursão que aguardava seus passageiros na hora marcada. Antes de nos levar de volta para o ônibus, conduziu-nos a pé por um caminho na cidade que nossas andanças de viajantes de primeira viagem ainda não tinham alcançado. Foi quando defrontamos com um parque muito lindinho (décima quarta foto), outros canais encantadores, e um lago onde acabara de chegar um barco turístico passando rente a um jardim onde cisnes enchiam de poesia o retrato daquele local e daquele momento (oitava foto). Completando o painel, uma pequenina ponte adiante aguardava a travessia do barco (sétima foto). Sabe aqueles quadros que estampam a paisagem de um recanto romântico que a gente acaba comprando, mas não sabe que lugar é? Aquela visão parecia a pintura de uma tela.

O clima romântico é inerente à atmosfera de Bruges. Se você quer passar uma lua-de-mel em um lugar propício para a ocasião, Bruges é uma das grandes pedidas. Só não vá no inverno, pois já li que o frio de lá espanta as pessoas, e fique longe de excursões! Bruges merece ser curtida sem pressa. E faça um favor para mim? Ande de barco e/ou de charrete e depois me conte como foi!

Quer saber mais sobre Bruges e seus pontos turísticos? Então, cheque este site oficial da cidade:

http://www.brugge.be/internet/en/index.htm

Nenhum comentário: