Rio de Janeiro (6ª parte)

Um sábado de sol a bordo da embarcação Pink Fleet. Um passeio emocionante pela Baía de Guanabara. Clicando sobre as fotos, você observa melhor os pontos turísticos.
Data deste passeio: 24/10/2009


Chegamos à Marina da Glória, local onde podemos apreciar vários tipos de barcos.



Marina da Glória. Em breve, uma dessas vans, a serviço do Pink Fleet, nos levaria até a embarcação.




Pois o caminho era um pouco longo. Veja o Pink Fleet um pouco à distância, aguardando seus passageiros.




Enfim, chegamos ao barco.



Mamãe relaxando com o visual da Baía.



E eu parti para explorar o barco.




Em frente ao Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (Monumento aos Pracinhas), no Aterro do Flamengo.



O barco é grande, tem vários ambientes.



O Pink Fleet é muito confortável. Daqui a alguns minutos, este ambiente estará cheio de gente, tomando sol.



O barco fica instalado de frente para o MAM, o famoso Museu de Arte Moderna.




Um dos ambientes fechados (com ar condicionado) do Pink Fleet.




Mamãe deixou a preguiça de lado e veio comigo explorar o espaço do Pink Fleet.



O restaurante, outro ambiente aconchegante do Pink Fleet.




O serviço de buffet do Pink Fleet.



O dia estava bonito e muitos, assim como nós, foram passear pela Baía de Guanabara. Vi muitas lanchas agitando as águas da Baía.



A Praia do Flamengo e o Cristo Redentor.



O visual do Flamengo.



Aterro do Flamengo.



Monumento a Estácio de Sá, no Aterro do Flamengo.



O Cristo atrás dos prédios do Flamengo.



A água estava azulzinha.



Outro lindo cartão-postal da cidade. O Pão de Açúcar.



A Praia da Urca e o antigo Cassino da Urca.



Avistando a Urca, vendo os barcos e a vida passar serenamente.



Fortaleza de São João.



Fortaleza de Santa Cruz, Niterói.



A Ponte Rio-Niterói ao fundo.



Praia de Adão e Eva, em Niterói: duas praias gêmeas.



A Ponte Rio-Niterói ao fundo, se fazendo sempre presente.



Lindas paisagens.



O Museu de Arte Contemporânea (MAC), em Niterói, ao fundo. Linda obra de Oscar Niemeyer.



Mais uma praia embelezando as paisagens.



O pequeno barco flanando pelas águas da Baía de Guanabara.



O Plaza Shopping de Niterói e a barca que faz a travessia entre Rio e Niterói.



O Teatro Popular de Niterói (à direita), inaugurado em 2007 e idealizado por Oscar Niemeyer.



Avião voando acima da Ponte Rio-Niterói.



Paisagem linda com esta ilha ao fundo e as aves mostrando o prazer da liberdade.



Ficamos pertinho da imponente MSC Cruzeiros.



As montanhas de outro cartão-postal do Rio de Janeiro, com o Cristo Redentor abençoando a cidade.



O Hotel Glória (prédio branco), na Praia do Flamengo.



A Escola Naval.



O barco passou por debaixo da Ponte Rio-Niterói.



A Ilha Fiscal e o palácio onde ocorreu o último baile do Brasil Imperial.



video
Dia perfeito para cruzar pelas águas da Baía de Guanabara.



video
A barca próxima ao Plaza Shopping de Niterói.



video
Curtindo a brisa e o visual do passeio.



video
Cinco momentos especiais: a vista do Aterro do Flamengo, o cenário com o Pão de Açúcar, o avião voando ao lado do Cristo Redentor, o barco passando embaixo da Ponte Rio-Niterói, e o avião aterrissando no Aeroporto Santos Dumont.



Sábado de sol no Rio de Janeiro. Sobem os termômetros e aumenta o desejo de cariocas e turistas de explorarem as belezas da Cidade Maravilhosa, como aquelas que encontramos ao atravessarmos a Baía de Guanabara. Aumenta até a disposição para acordar cedo, mesmo em um final de semana. Mas, nem tão cedo assim. Se você optar por fazer o passeio pelo super-recomendado Pink Fleet, levante da cama a tempo de estar na Marina da Glória entre 10:30 e 11:30 da manhã (horário que a empresa pede para os passageiros que fizeram reserva chegarem), pois o barco começa o tour às 11:45 em ponto. E é bom mesmo chegar com certa antecedência. Assim você pode escolher o melhor lugar no barco: no sol, na sombra, no ar condicionado, na cadeira, no sofá, etc. E consegue conhecer o barco com mais tranquilidade, por isso, as minhas fotos mostram os ambientes ainda vazios. Porém, mais e mais pessoas foram chegando e o barco foi ficando cada vez mais movimentado, mas não lotou, não. Talvez a metade do número de passageiros que o barco pode transportar, ou seja, devia haver umas 200 pessoas. Havia bastante espaço para as pessoas transitarem e tirarem fotos. Fizemos o passeio no mês de outubro, portanto, pode ser que nos meses de verão, o barco fique mais cheio.

Tenho percebido que muita gente não conhece as opções de passeio pela Baía de Guanabara. O Pink Fleet, do empresário Eike Batista e lançado no final de 2007, é somente uma delas. E a mais luxuosa até o momento. Da Marina da Glória partem outras embarcações com diversidade de roteiro, inclusive para as Ilhas Cagarras, destino que já está nos meus planos e que não faz parte da rota do Pink Fleet <http://www.pinkfleet.com.br/>. Para as Ilhas Cagarras, procure pelas empresas Marlin Yacht Charters <http://www.marlinyacht.com.br/portugues/index.html> e Macuco Rio <http://www.macucorio.com.br/>. Outra alternativa de lazer pela Baía é através das barcas que saem da Praça Quinze de Novembro, no Rio de Janeiro, e vão até Niterói. Escolhi as barcas algumas vezes quando quis visitar o Plaza Shopping de Niterói e voltar para o Rio à noitinha, curtindo as luzes da cidade, especialmente as luzes da Ilha Fiscal.

Para o turista que não conhece os pontos turísticos do Rio, fazer um tour pela Baía de Guanabara é um programa pra lá de interessante. A oportunidade que temos de apreciar o Pão de Açúcar (visto de um outro ângulo), o MAC, a ponte Rio-Niterói, o Cristo Redentor, entre outras atrações, e a vantagem de estarmos desfrutando os prazeres que um passeio náutico pode proporcionar fazem a experiência ser inesquecível. Para quem já conhece todos os ícones da cidade, a experiência não deixa de ser marcante, principalmente quando se está a bordo de um confortável barco como o Pink Fleet. Se você estiver acompanhado de amigos ou da família, você passa horas (cerca de duas horas e meia no Pink Fleet) ainda mais agradáveis. O prazer que você sente de estar rodeado de pessoas e paisagens especiais, embalado pelo movimento das águas da Baía e acariciado pelo toque do vento no rosto, em um ambiente descontraído ao som de música e de vozes animadas, faz ou não faz o dia ser fora do comum? Ao descrever um dia assim, você, sem querer, acabará sendo poético.

Pois, então, se a Baía de Guanabara ainda não foi palco de suas andanças pela cidade do Rio de Janeiro, descubra a poesia que é estar nessa companhia!

Nota de atualização (17/11/13): Hoje li uma notícia que infelizmente comprovou o que eu já desconfiava - o Pink Fleet não realiza mais passeios e está abandonado. É a triste realidade e uma perda para o Rio de Janeiro, pois era uma opção de turismo que faltava à cidade. Com o desmoronamento do império do empresário Eike Batista, que ainda é o dono do Pink Fleet, o navio afunda com o peso das dívidas. A seguir, trechos da matéria da Revista O Globo, por Roberto Kaz, de 17 de novembro de 2012 (p. 30-36): "[O navio] está mergulhado em dívidas de pelo menos R$ 800 mil. Não é atraente o suficiente para ser comprado, não é desprezível o suficiente para ser cortado (leia-se virar sucata). [...] Em meio à crise do grupo OGX (petroleira de Eike Batista que viu suas ações caírem de R$ 23 para R$ 0,13), o navio chegou a ser oferecido de graça, à Marinha. [...] Desde 2011, a Receita Federal cobra do Pink Fleet dois tributos de importação não faturados (como tem bandeira panamenha, o navio paga um valor mensal para operar no país - solução legal e mais econômica do que a importação)."

Petrópolis, RJ (2ª parte)

Um sábado de muito nevoeiro em Petrópolis...



Escolhi abrir este post com um dos pontos altos da cidade: a Catedral São Pedro de Alcântara.




Uma das maneiras de se conhecer a cidade é através destas charretes. Mas sempre percorremos Petrópolis a pé mesmo.




Universidade Católica de Petrópolis, acompanhada do famoso Relógio das Flores.




Entrada da Casa de Santos Dumont.




A Casa de Santos do Dumont é pequena, mas muito interessante.




E esta é a esquisita escada que leva ao interior da casa.





Vista da varanda da Casa de Santos Dumont.




A sala do primeiro piso da casa do nosso grande inventor.




Os dois andares da casa vistos da varanda.




O telefone da época de Santos Dumont.




Homenagens no caminho à Praça da Liberdade.





Centro de Informação Turística, na Praça da Liberdade.




Estátua em homenagem ao Almirante Barroso.




Um dos cenários mais bonitos de Petrópolis: a catedral vista da Praça da Liberdade.




A Praça da Liberdade é uma gracinha.




Mais estátuas de homenagem na Praça da Liberdade.




Ponte que leva a um restaurante.




Outro cenário de Petrópolis onde a beleza da catedral impera. Neste momento, a neblina começava a encobrir a catedral. Daqui a uma hora mais ou menos, já não se via mais a catedral neste ponto por causa da neblina.




Achei esta linda hortênsia perdida no chão. As hortênsias compõem a flora de Petrópolis. No fundo da foto, uma linda casa da região.




Um close da hortênsia que achei solta no chão. Essas flores são lindas assim.





Caminhando em direção à catedral. O gostoso de Petrópolis é que as ruas são todas bem arborizadas.




O Palácio Rio Negro exibe um lindo jardim.




Um dos aposentos do Palácio Rio Negro. O palácio é residência oficial de verão da Presidência da República.




Retratos dos Presidentes da República no Palácio Rio Negro.



Interior da Catedral São Pedro de Alcântara enfeitada, provavelmente para um casamento.



Foto enquanto eu descia as escadas da catedral. O nevoeiro já se mostrava um pouco mais intenso.




Pracinha simpática esta, pertinho da catedral.




Casa Princesa Isabel, que foi comprada pela princesa em 1876.





Gostou do hotel? Nós nos encantamos pela entrada dele. Só vimos por fora e, depois, na internet. Uma ótima opção de hospedagem de requinte em Petrópolis. É o hotel Solar do Império.




E, como de costume, a Rua Teresa nunca ficou de fora de nossos passeios em Petrópolis. Reparem na neblina.



São tantas lojas de roupa que você pode perder o dia inteirinho na Rua Teresa.


Rua Teresa: o paraíso das compras. Cheio mesmo em dia de chuva e muiiita neblina.

A sexta-feira anterior à nossa ida a Petrópolis tinha sido um dia bonito de sol que prometia um sábado na mesma proporção. No entanto, o sábado amanheceu meio nublado, mas que ainda dava esperanças de que as próximas horas seriam mais atraentes. Pegamos o carro e fomos a Petrópolis como tínhamos combinado, afinal ainda não conhecíamos algumas das atrações que tinham ficado para essa vez. Subindo a serra, encontramos uma neblina pela qual nunca tínhamos passado. Quase não víamos nada, mas, por sorte, o trecho que pegamos assim não foi grande.
Depois de estacionarmos o carro, antes de visitarmos a Casa de Santos Dumont, o sol começava a aparecer e a preocupação com a viagem de volta começava a ir embora. Mas, depois, a chuva fininha voltou. A chuva não atrapalhou muito a nossa visita. Como sempre, passear por Petrópolis é uma atividade que gostamos muito. As fotos provam que o lugar é muito bonito e ainda oferece ótimas compras de roupas na Rua Teresa. Porém, neste dia passamos por algumas horas de terror na volta para casa. Pegamos a estrada com tanta neblina que não conseguíamos ver quase nada mesmo a nossa frente. Um horror! E foi toda a serra dessa forma. Eram quase seis horas da tarde e, portanto, já estava escuro. Imagine escuridão com nevoeiro... Graças a Deus, não nos aconteceu nada, mas fomos muito cautelosos. Foram momentos de tanta tensão que garanto que se soubéssemos que enfrentaríamos a estrada naquelas circunstâncias, teríamos pernoitado em Petrópolis para voltar no dia seguinte, com melhores condições de viagem. Mas tudo vale como lição e como aviso para os inexperientes: quando chegarem a Petrópolis e já depararem com neblina, volte para casa cedo, ainda com luz do dia, o que também já é muito preocupante. Na escuridão, então, nem se fala...
Dia desta viagem: 03/10/2009