Nova Friburgo, RJ, Brasil

Ao fundo, o Dedo de Deus


Queijaria Suíça

Em frente à Queijaria


Na área externa da Queijaria Suíça


Conhecendo o complexo do local


O lugar é cercado de jardins


Presépio na loja de artesanato da Queijaria. Originalidade revestindo a arte.


Na Praça Getúlio Vargas


Na Praça das Colônias

O teleférico, na Praça do Suspiro


Shopping center no centro da cidade



Viajamos para Nova Friburgo, a partir da cidade do Rio de Janeiro, para um passeio de um dia inteiro. Foi um pouco cansativo, mas achamos que valeu a pena, pois vimos tudo o que tínhamos colocado como prioridade em nosso roteiro. Preferimos fazer o caminho via Teresópolis por ser mais bonito - a presença do pico do Dedo de Deus, uma preciosidade geológica da Serra dos Órgãos, não deixa mentir.

Ainda na estrada Teresópolis-Friburgo, paramos na famosa Queijaria Suíça, onde você pode visitar sua fábrica de chocolate e comprar seus deliciosos chocolates e queijos de leite de cabra. O local oferece, também, em um espaço cercado de jardins, uma loja de artesanato e pequenos museus, como o Museu da Colonização. Friburgo foi colonizada pelos suíços no século XIX e, por isso, é considerada a Suíça brasileira.

Da Queijaria Suíça até Nova Friburgo são mais alguns minutos. Chegando à cidade, fomos logo para a Praça Getúlio Vargas, onde se encontra a estátua do ex-presidente. Considerada o palco e o coração da cidade, a praça já serviu de local de discurso para Juscelino Kubistcheck e Jânio Quadros em campanha para a presidência da República. Naquela praça há uma feirinha de artesanato e roupas. Achei um pouco fraca, mas nos distraiu por um tempinho até a hora do almoço. Há vários restaurantes perto desse endereço e você logo encontrará um que cairá no seu gosto. Porém, o pólo gastronômico que freqüentemente indicam em Nova Friburgo está no distrito de Mury, que conta com restaurantes com especialidades nas cozinhas alemã e suíça. Um dos mais famosos é o Braun Braun, onde há mais de 135 tipos de cerveja. O restaurante está localizado no pequeno Mury Shopping, um dos pontos turísticos da cidade. Visitamos o Braun Braun e, apesar de não termos experimentado o seu cardápio, pudemos constatar que é um ambiente bem agradável, perfeito para um programa noturno. Para quem quiser conferir antes de ir, deve visitar o site <http://www.braunbraun.com.br/>.

E por falar em shopping, há um muito bom no centro de Friburgo, com várias lojas e restaurantes. Como estávamos a um mês do Natal, encontrava-se apropriadamente decorado. Passamos por lá depois de visitarmos duas importantes atrações de Friburgo: a Praça das Colônias e o teleférico.

A Praça das Colônias foi criada para representar as colônias de imigrantes que participaram da formação histórica e social de Nova Friburgo. O local reúne lojinhas que vendem produtos típicos de diferentes países, um anfiteatro e um restaurante. Bem, para falar a verdade, não achei nada de muito interessante, mas vale a visita até porque a praça fica pertinho do maior teleférico de cadeiras do Brasil. Como só gosto de teleféricos fechados, não posso contar como é a sensação de subir até o Morro da Cruz e vislumbrar a mais bela vista da cidade. É o que todos que já passaram pela experiência garantem.

Depois de ver tanta coisa, já era hora de fazer compras e conferir o comércio que dá a Nova Friburgo o título de capital nacional da lingerie. As principais lojas de fábricas de lingerie ficam na Ponte da Saudade e no bairro de Olaria. Pegamos o carro e fomos até a Ponte da Saudade e o que vimos lá não deixou dúvida sobre a fama da cidade. Várias lojas, uma do lado da outra, espalhadas nas duas calçadas, algumas em galerias, disputam a clientela à procura de peças bonitas e baratas. Vitrines com lindas camisolas, conjuntos de sutiãs e calcinhas, corpetes, shortdolls, hobbies, de várias marcas, de lycra, cotton, cetim, seda, bordados, rendados, simples, exibem as melhores novidades da moda íntima (principalmente a feminina). Os preços, na maior parte, são os melhores também, mas não hesite em pesquisar. Você vai encontrar variedade em qualidade e preço e oportunidade de comprar por atacado e a varejo. Impossível sair do local sem comprar alguma coisa. Entretanto, é bom lembrar que o comércio do centro de Friburgo também é grande e dispõe de uma boa variedade de produtos, como roupas, peças íntimas, calçados e artigos em couro. Porém, as melhores lojas de moda íntima encontramos, sem dúvida, na Ponte da Saudade. Não tivemos tempo de ir à Olaria, mas o lugar deve prometer também em preço e quantidade.

Há duas outras atrações turísticas muito procuradas em Nova Friburgo, mas que não tivemos a oportunidade de conhecer ainda: a Pedra do Cão Sentado (no alto do Parque de Furnas do Catete, é preciso fôlego para vê-la de perto) e o Jardim do Nêgo (em sítio particular, mas aberto à visitação, o jardim expõe lindas esculturas cobertas de musgo, talhadas no barranco). Caso você se interesse por esses lugares também, sugiro que planeje sua estada em Nova Friburgo para mais de um dia. Os seguintes sites vão ajudá-lo na procura e na seleção das atrações para você traçar o seu roteiro de acordo com suas preferências e tempo disponível:

http://www.novafriburgotur.com.br/

http://www.feriasbrasil.com.br/rj/novafriburgo/


Arraial do Cabo, RJ

O pórtico da cidade.


Praia Grande no Carnaval. Vista da varanda do quarto da Pousada Genesis.


Varanda térrea da Pousada Genesis.


Na piscina da pousada, após deixar a Praia Grande.


Ponto de partida para os passeios de barco.

Lindas paisagens durante o passeio de barco.


O restaurante flutuante famoso da região.


Chegando perto das pedras que têm o formato de tartarugas.


Esta é uma das "tartarugas".

Nos aproximando da Fenda de Nossa Senhora.


Imagem de Nossa Senhora na fenda, ao fundo.


Gruta Azul, esculpida na encosta da Ilha do Farol.


As embarcações esperando a vez de entrar na gruta.


Botes conseguem entrar bem dentro da gruta.


O tom azul da água é de impressionar. Até o meu cabelo ficou azul na foto.


Praia da Ilha do Farol, já eleita a mais bonita do Brasil.


Água cristalina da Praia do Farol.


No solo arenoso da Praia do Farol, a figueira centenária.


Esta é outra praia em Arraial (acho que As Prainhas), onde muitos praticam o sandboard.

Praia de águas transparentes.


Mesma praia da foto acima. Que visual!

Igreja Nossa Senhora dos Remédios.


Marco de Américo Vespúcio, na Praia dos Anjos.


Largo dos Descobrimentos, ao lado do Marco de Américo Vespúcio.

Cheguei a Arraial do Cabo na semana do Carnaval de 2007, logo após os quatro dias de folia. A decisão foi não somente para aproveitar as tarifas mais baixas das pousadas como também para não me espremer nas aglomerações, principalmente nas praias. Entretanto, as minhas expectativas não deram muito certo com relação à lotação da cidade. A Praia Grande, por exemplo, estava cheia de pessoas ainda curtindo o finalzinho do Carnaval, só que, para minha surpresa, não ao som de samba, mas ao som de muito funk. E lá estava a “rapaziada” com suas latinhas de cerveja ao lado, muitas vazias ajudando a compor o cenário de sujeira da areia, e seus radinhos “ligados na parada musical”, assim como seus donos. Confesso que a primeira impressão que tive da cidade não foi a das melhores. A praia cheia e suja e a música muito alta (tudo bem, tenho de dizer que não gosto de funk) me convenceram a voltar para onde eu tinha acabado de chegar e sair: a pousada Genesis.

Localizada bem em frente à Praia Grande, uma das praias mais procuradas pelos turistas pelo seu fácil acesso e pelo belo pôr do sol que nela se pode ver, a pousada Gênesis possui varandas com espreguiçadeiras para banhos de sol, piscina, estacionamento e serviço atencioso. Recentemente (outubro de 2008) pesquisei na Internet e vi que essa pousada passou por reformas e foi expandida, portanto, deve estar bem melhor agora. O único problema era que, como a época era de Carnaval e a Praia Grande é um dos points, “rolavam” shows (diga-se de passagem, com música funk) na praia que chegavam a passar da meia-noite. Para os hóspedes que curtiam esse programa, não devia haver problema, já que, provavelmente, se juntaram à curtição, mas para os que preferiam descansar, como eu, chegou a incomodar (mas, não muito, pois não costumo me deixar estressar nas viagens, ainda mais em época de Carnaval). O episódio chegou até a ser engraçado: as paredes do meu quarto não me deixavam dormir porque tremiam com o som da rua. Pareciam que estavam dançando ao som de “Chão, chão, chão” (só me lembro dessas palavras do refrão do funk). Tirando esse inconveniente, que nem me abalou tanto assim, a pousada atendeu a todas as minhas necessidades (a própria pousada não permitia barulho depois do horário de encerramento do show).

O dia seguinte à minha chegada, reservei para um passeio de escuna pelas praias de Arraial. Geralmente, as escunas passam perto de várias praias (o guia aponta e faz um breve relato sobre elas), em algumas somente para mergulho, e estipulam duas para os visitantes ficarem em torno de 50 minutos para mergulharem ou para descansarem na areia, por exemplo. O passeio dura em média 4 horas. A primeira parada de 50 minutos foi na Praia da Ilha do Farol (também conhecida como Praia do Farol). Naturalmente, não podia ficar de fora, pois chegou a ser eleita a praia mais bonita do Brasil. Particularmente, eu não votaria nela para ter esse título, mas a praia é bonita, sim, e tem uma surpreendente figueira enraizada em sua areia que chama a atenção das pessoas por ser grande e cheia de ramificações. O dia estava ensolarado, mas ventava muito nesta praia cuja areia é tão fina que quando bate em você chega a incomodar. Como brincou o meu marido, tomamos uma surra de areia.

A segunda parada de 50 minutos foi em uma praia que eu até achei mais bonita do que a do Farol. Foram tantos nomes de praias que eu ouvi que, sinceramente, não me lembro do nome desta, talvez sejam As Prainhas. Ambas (Praia do Farol e a do nome esquecido) são pequenas, de areias branquinhas, e rendem lindas fotos.

O passeio de escuna incluiu também breve parada no mar (sem desembarque) em frente ao tão falado bar flutuante (próximo às Prainhas), que já recebeu muitos artistas famosos. Para quem gosta de frutos do mar, um bom programa deve ser passar uma tarde lá saboreando a comida ao lado da vista aprazível do mar de Arraial.

Há outras atrações para serem admiradas enquanto você está dentro da embarcação, como a Fenda de Nossa Senhora e a Gruta Azul, ambas na Ilha do Farol. Da embarcação vê-se a imagem de Nossa Senhora na fenda. Há uma lenda que conta que um pescador teria visto a imagem de Nossa Senhora nesse local e outra que conta que a fenda foi feita na rocha por um raio e a imagem foi colocada pelos pescadores.

Para mim, a grande atração de Arraial foi a Gruta Azul. Imperdível. Com a luz solar, as paredes internas da pedra milenar com forma de pirâmide adquirem tons azuis. Tive sorte de estar em Arraial em um dia de mar calmo, pois, dependendo da maré, não é possível entrar na gruta. Além de estar no dia certo, é preciso também escolher o tipo de embarcação. Nem todas dispõem de tamanho adequado para entrar na gruta; a que eu escolhi, uma escuna, penetrou o suficiente para que pudéssemos admirar o incrível tom azul da água e das paredes do seu interior.

No final da tarde, fui dar um rolé na Praia dos Anjos, considerada de grande valor histórico por ter sido onde, em 1503, Américo Vespúcio desembarcou. A partir de então, deu-se a origem do primeiro núcleo habitacional de Arraial. Três anos depois, foi construída a Igreja de Nossa Senhora dos Remédios. Pequena, mas muito bonitinha por dentro, chegou a receber a visita ilustre de D. Pedro II e sua esposa.

Na Praia dos Anjos, além da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, você vai encontrar o Largo do Descobrimento, com o Marco Américo Vespúcio, e a Praça Daniel Barreto (mais conhecida como Praça do Cova), onde, à noite, as pessoas têm como uma das opções de entretenimento seus diversos bares. Nessa praça, há também uma feirinha de artesanato que eu fui conferir, mas não achei lá grandes coisas. Na Praia dos Anjos, o que eu mais gostei mesmo de fazer foi caminhar por ela e apreciar os inúmeros barcos que enfeitavam sua areia. Aliás, fiz isso depois de conhecer pessoalmente uma pousada, também nessa praia, que eu já tinha paquerado na Internet: Capitão N’Areia. Pertencia ou ainda pertence à atriz Flavia Alessandra. Apesar de não ter me hospedado lá, tenho a certeza de que teria gostado muito. O estilo da pousada é bem interessante.

Uma boa dica para quem está em Arraial e não conhece Cabo Frio é dar uma esticadinha na viagem e ir até essa região muito próxima, a uns 20 minutos de carro. Eu e meu marido fizemos esse roteiro na nossa última noite em Arraial, mas cuidado com a via se você resolver ir à noite também. É muito mal iluminada (pelo menos era em 2007) e, por vezes, nos sentimos inseguros, principalmente porque não conhecíamos o caminho. Mas, é bem simples chegar lá. A noite em Cabo Frio é bem mais agitada, também conta com feira de artesanato e ótimas opções de restaurantes, mais que em Arraial. Valeu a esticada. E valeu conhecer Arraial, mais pela sua beleza natural do que pela sua vida noturna. Por falar em natureza, vale lembrar que, devido ao fenômeno da ressurgência, a vida marinha de Arraial é bem diversificada e, por isso, é um paraíso para os mergulhadores.

Para conhecer a história e pré-história de Arraial, assim como obter informações sobre outros pontos turísticos e apreciar uma galeria de fotos, indico o site oficial da prefeitura da cidade: http://www.arraial.rj.gov.br/novosite/.


Boa viagem à Capital do Mergulho!

Paraty, RJ, Brasil

Pousada Villas de Paraty. Uma graça!

A piscina da pousada que nem tivemos tempo de desfrutar.


Villas de Paraty é uma pousada toda florida.


A Rua do Comércio é uma das mais movimentadas de Paraty. Há muitas lojinhas aqui!

Lojas e carrocinhas de doces nas ruelas de Paraty.


A oferta de lojas é grande e cada um faz a propaganda a seu estilo.







Igreja de Santa Rita, do século XVIII, uma das imagens mais conhecidas de Paraty.




Os barcos ancorados no cais te convidam para um passeio pela baía de Paraty.



Os barcos de diferentes cores compõem um cenário típico da região.


As charretes podem ser uma opção de passeio.




Café Paraty, por onde já passaram muitos famosos.

Vielas calçadas de pé-de-moleque, antigos casarões e igrejas formam a imagem de Paraty.



Na escuna, começando o tour pela baía. Este é o cartão-postal de Paraty.





Fomos explorar as belezas das praias e ilhas da Baía de Paraty.







Paraty à noite, com a nova iluminação da cidade. Esses são os bares vizinhos à Igreja da Matriz, muito freqüentados à noite.



Lampiões como os usados no século XIX foram espalhados pelo Centro Histórico.


Igreja de Nossa Senhora das Dores, de frente para o mar.


As casas em estilo colonial fazem o diferencial em Paraty.




Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, do século XVIII. Esta igreja foi construída para ser freqüentada pelos escravos.



video

Visitar Paraty é sentir um gosto do passado. Os casarios coloniais, as igrejas centenárias, as calçadas de pedra, os barcos coloridos e o Cais do Porto são os símbolos paratienses.